Sobre o Jogo das Estrelas…

 

Desde os idos tempos de atleta Zico sempre participou ativamente de campanhas cujo objetivo fosse levar alegria, solidariedade e benefícios aos mais necessitados.  Quando a hoje extinta SADEF promovia suas “peladas beneficentes”, seu nome estava sempre entre o dos craques que tinham presença garantida.

2004

Após ter encerrado sua carreira de jogador profissional, Junior Coimbra, filho mais velho de Zico, tornou-se empresário nas indústria do Esportes e do Entretenimento, criando projetos inicialmente no exterior e posteriormente no Brasil.

Em 2004, Junior idealizou um jogo beneficente que reunisse grandes craques numa bela festa do esporte. Nascia o “Jogo das Estrelas”, o evento anual que transforma o Rio de Janeiro no centro de atenção dos amantes do futebol no mundo em um jogo beneficente que marca o final do ano e reúne os melhores jogadores de ontem, hoje e sempre.

2005

Maradona e Zico
Nos dois anos seguintes grandes craques da bola marcaram presença no CFZ, em um  evento que crescia não só em relevância, como em qualidade, presença de público e responsabilidade social.   Em 2005, o mito Diego Maradona incendiou o público local de 2500 pessoas – que deixou nos portões 3,5 toneladas de alimentos – e maravilhou o Rio de Janeiro e todo o Brasil via televisão, ao adentrar o gramado do CFZ para tabelinhas antológicas com Zico e outros craques.  Consolidava-se ali o Jogo das Estrelas como evento esportivo marcante do final de ano do Rio de Janeiro.

2006

Seedorf e Zico
Em 2006 foi a vez do gênio holandês da bola Clarence Seedorf trazer o brilho internacional para o evento que contou com a presença de craques brasileiros de grandes clubes e da seleção nacional.  Mais de 4000 pessoas e 7 toneladas de alimentos transformaram aquele no maior jogo já realizado no CFZ.  A despeito da organização que foi sensivelmente melhorada, das mágicas de engenharia para abrigar cada vez mais público e, sobretudo, do romantismo com que a proximidade com os torcedores ornava o espetáculo, ficou claro para todos que o CFZ havia ficado pequeno para o evento que havia crescido sobremaneira.

2007

A partir de 2007 o Jogo das Estrelas se mudou para o maior estádio do mundo, o Maracanã.  Foi neste ano o reencontro de Zico com seu mais querido palco e com seus fãs de todas as idades.  Mais de 40 mil expectadores presenciaram no local astros internacionais como Adriano, Deco e Nakata juntarem-se a ídolos do passado e presente sob o comando de Zico.  Jogadores do naipe de Roberto Dinamite, Renato Gaúcho, Junior, Andrade, Leandro, Edmundo, Vagner Love transformaram o Maracanã numa enorme casa de festas para o deleite de amantes do bom futebol em todo o país.

O Jogo das Estrelas 2007 marcou também uma mudança de paradigma.  Foi a primeira vez no país que um evento beneficente deste tipo cobrava ingresso em moeda e não na forma de alimentos.  A credibilidade da marca Zico foi fundamental para esta transição ter se dado de modo tão suave.  As razões para mudança foram várias, mas as duas principais foram:

a distribuição dos alimentos após o evento que se transformou em um grande desafio logístico; e principalmente,
o atendimento dos melhores interesses das instituições beneficiadas, dado que muitas delas precisavam de auxílios diversos que não se traduziam em toneladas de alimentos. A doação da receita líquida do jogo para a beneficência é mais uma marca do Jogo das Estrelas, que além de gols no evento, permite que outros golaços sejam marcados no campo da Responsabilidade Social.

E as grandes jogadas do Jogo das Estrelas não acontecem apenas no gramado.  Um dos objetivos da organização é garantir que o evento seja sempre inovador e sirva como referência para que o futebol como espetáculo cresça no país.  A transmissão do jogo em TV fechada pelo SporTV (Globosat) e em TV aberta pelo Esporte Interativo (Turner), por exemplo, todo ano traz novidades, como o uso de mais câmeras do que nos jogos do Campeonato Brasileiro.  Vários são os procedimentos, idéias, recursos técnicos que são testados no jogo para posterior aproveitamento na transmissão dos jogos oficiais do ano seguinte.

2009

A festa de 2009 foi uma das mais bonitas que já se viu no país.  Cerca de 70 mil pessoas estiveram no Maracanã e ajudaram a quebrar o recorde de público local em um evento beneficente no Brasil.

A partir deste ano o Jogo das Estrelas passou a ser a referência esportiva no final de ano e considerado como o principal jogo de fim de ano entre os astros da bola.

Foi também marcante pelo reencontro nos gramados de Zico e o “baixinho” Romário, um dos maiores atacantes de todos os tempos.  E o ataque ainda contou com o “Imperador” Adriano marcando sua volta ao maior palco do mundo do futebol.  Além das atrações no campo, outra novidade estava no entorno do gramado.

Pela primeira vez em eventos festivos no país foi utilizado um painel de LED (light emitter diode) na linha lateral no lugar das tradicionais placas de publicidade.

2010

O Estádio Nilton Santos (Engenhão à época) foi o palco do evento em 2010.  Mais de 23 mil pessoas estiveram presentes para ver Zico, Romário e Túlio Maravilha.  Foi bonito ver torcedores de todos os clubes do Rio, vestidos com a camisa de seus clubes de coração, torcendo e vibrando juntos, com camaradagem e espírito esportivo que tantas vezes faz falta nos jogos oficiais pelo país.  Esta diversidade de torcedores e a presenta de muitas famílias com crianças de todas as idades é outra marca registrada do Jogo das Estrelas, um jogo de todas as torcidas e para quem ama o futebol acima de qualquer rivalidade entre clubes.

2011/2012

O ano de 2011 marcou a primeira experiência do evento fora do Rio de Janeiro.  Mantendo a tradição de grandes palcos para os maiores craques de todos os tempos, o Jogo das Estrelas 2011 foi para o Morumbi, onde foi festiva e carinhosamente recebido pela imprensa e torcedores paulistas.  Construído para o Morumbi em menos de 30 dias em função de questões diversas em todos os grandes estádios do Rio, o evento foi novamente um grande sucesso de público, com cerca de 35 mil torcedores presentes para o show de Zico, Neymar, Ronaldo Fenômeno, Lucas, Raí, … e os icônicos Biro-Biro e Dinei.

A parte alta do evento foi a bela homenagem prestada ao eterno ídolo Sócrates.  Em 2012, a cidade de São Paulo sediou novamente com muito carinho o Jogo das Estrelas e o Morumbi foi o palco de um belo jogo embaixo de uma das maiores chuvas que já atingiram o evento.

2013/2014

Completamente reformado e local onde aconteceu a final da Copa das Confederações em 2013, o Maracanã recebeu de volta o Jogo das Estrelas justamente para sua bela festa de 10 anos.   E após a frustração futebolística durante a Copa do Mundo 2014, o Maracanã com mais de 50 mil pessoas voltou a vibrar com muita alegria nos gols de craques brasileiros de várias gerações como Ademir da Guia, Tita e Robinho, a habilidade e classe de Clarence Seedorf e o talento de tantas outras feras.

2015

A edição de 2015 foi de luto pelo acidente aéreo que, entre outras pessoas, vitimou Marco Antônio Rossi (presidente da Bradesco Seguros – patrocinador máster do evento desde 2006), grande amigo e incentivador do evento.  A despeito da tristeza que jamais se extinguirá, o show deve sempre continuar e Alex, Zé Roberto, Roque Junior, Paulo Nunes, Edmundo e Sávio se juntaram ao consagrado goleiro português Vitor Baía (Barcelona e Seleção Portuguesa) e ao atacante holandês Luc Nilis (parceiro de Romário nos bons tempos de PSV) para engrandecerem aquela edição.  No Jogo dos Artistas – sempre preliminar do jogo principal – foi a vez de Wesley Safadão fazer sua estreia no evento e agitar não só a torcida nas arquibancadas, como também jogadores, celebridades e até patrocinadores e a produção do evento, nos vestiários e áreas exclusivas do Maracanã.

2016

Em 2016 o mundo foi chocado pelo terrível acidente aéreo com a delegação da Chapecoense.  Com generoso auxílio da artista plástica e cenógrafa Rosa Magalhães, o Jogo das Estrelas fez bonita homenagem e foi integralmente dedicado às vítimas e respectivos familiares.

Dentro do campo foi a vez do reencontro de Neymar com o público carioca e com o Maracanã após a conquista da inédita medalha de ouro olímpica para o Brasil.

2017

E chegou 2017.

Novidades, muita emoção e a eterna beleza do futebol brasileiro têm encontro marcado com a torcida na noite de quarta-feira, 27 de dezembro, no bom e “velho” Maracanã.

Vemos nos ver lá!